Desigualdade trava prosperidade das mulheres árabes – diz Pnud

Desigualdade trava prosperidade das mulheres árabes – diz Pnud

As Nações Unidas consideram que a desigualdade de sexos está a travar o progresso económico e a prosperidade social das mulheres no mundo árabe.

Marília Sardenberg, embaixadora do Brasil na Tunísia, falou à Rádio ONU, de Túnis, sobre os avanços conseguidos no país do norte de África:

“É um país que tem uma experiência singular porque desde 1956 quando houve a independência da Tunísia foi também proclamado o Código do Estatuto do Pessoal que é um código de igualdade entre o homem e a mulher. Na verdade esse é um documento que é único no mundo árabe”.

Marília Sardenberg que é a primeira mulher brasileira embaixadora num país árabe, destacou outros avanços que fazem da Tunísia um país diferente para as mulheres:

“Tem um carácter pioneiro, foi um documento que instituiu o divórcio, extinguiu o casamento forçado e fez uma série de mudanças na situação da mulher.”

O relatório do Pnud encoraja os países árabes a eliminar os obstáculos de modo a permitir às mulheres plena participação na vida política, económica e social.