Remessas migrantes

Remessas migrantes

O Banco Mundial lançou um alerta aos países da América Latina para que não apostem tudo nas remessas de dinheiro enviadas por migrantes, que vivem principalmente nos Estados Unidos e na Europa.

Segundo ele, muitas vezes, os países perdem mais do que ganham com a saída de pessoas.

“Muitos pensam que sair e viver fora será mais rentável, mas as pessoas esquecem que esses migrantes também estavam produzindo em seus países, e que com a saída dele, a família e o país deixam de ganhar. Um outro problema é a chamada fuga de cérebros, que em muitos casos, como o do Haiti, por exemplo, pode levar uma geração inteira para se recuperar”, afirmou.

Segundo o documento, “Perto de Casa: O Impacto para o Desenvolvimento de Remessas na América Latina”, o México é o maior recipiente com US$ 21,8 bilhões em 2005. O Brasil ficou no 11º lugar da lista com US$ 3,5 bilhões.

Ao todo, a América Latina e o Caribe foram o destino de US$ 48,3 bilhões no ano passado.