Ciência para Paz e Desenvolvimento

Ciência para Paz e Desenvolvimento

A ONU marcou em 10 de novembro, o Dia Mundial da Ciência pela Paz e pelo Desenvolvimento. O evento contou com o apoio da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, e o Ministério da Educação, MEC. A Rádio ONU conversou sobre o tema com o astronauta Marcos Pontes e com o especialista da Unesco, Ari Mergulhão.

O primeiro astronauta brasileiro a ir ao Espaço, Marcos Pontes explicou como a tecnologia pode ajudar no aumento da paz e do desenvolvimento.

“Eu acho que a tecnologia e a ciência têm que continuar favorecendo a vida das pessoas mas de uma maneira mais inteligente, de uma forma a se ter mais harmonia, para ter produtos que sejam harmônicos com o meio ambiente e que possam garantir uma sobrevivência maior nesse tipo de coisa. Não só melhorar daqui para frente como reverter um pouco o quadro que nós ja chegamos agora. Acho extremamente importante se direcionar a ciência e a tecnologia para a convivência harmênica entre os seres humanos e o meio ambiente. E também entre os próprios seres humanos porque é inconcebível se gastar US$ 2 trilhões numa guerra enquanto se pode fazer outras coisas”, disse.

O astronauta também falou do papel do Brasil na área da ciência.

“O Brasil dentro dessa área de ciência e tecnologia ainda está num estágio de desenvolvimento que logicamente precisa, eu não diria de investimentos grandes, mas porém, investimentos constantes. E que isso possa ser feito em termos conscientes. Acho que talvez motivados por todos os recursos naturais como água, florestas, e tudo mais. Existe, no Brasil, uma consciência bastante interessante mas que ainda precisa ser explorada em termos de instituições. As pessoas têm uma certa consciência disso mas a idéia deveria ser mais espalhada. A gente tem trabalhado com isso dentro de setores de pesquisa. Você pode ver que existem projetos voltados justamente para essa harmonia, mas eu acho que ainda há um caminho bem longo, tanto para o Brasil, quanto para outros países, a seguir e chegar num objetivo final nesse sentido”, disse.

Além dessas atividades, o evento traz também neste ano, o concurso de monografia e desenhos com o tema “O Brasil no espaço: qual a importância da ciência e da tecnologia espaciais para o desenvolvimento nacional?” como explica o especialista em Ciência e Tecnologia da Unesco no Brasil Ary Mergulhão.

“Como aqui no Brasil houve o advento da viagem do primeiro astronauta brasileiro, a Unesco com os parceiros lançou um concurso de monografias e desenhos. E é interessante porque no concurso de monografias nós exigimos que tivesse um professor orientador também. Estaremos premiando o aluno, o professor e a escola”.

Ary Mergulhão falou também da importância de se investir na ciência para o desenvolvimento social.

“Os países que investem em tecnologia, ciência e educação têm notadamente reflexos em seus indicadores sociais em um período curto de tempo. Nos último 30 a 40 anos, se você pegar países como Coréia do Sul, Espanha, Chile, Irlanda, você verá que os investimentos que eles fizeram em ciência, tecnologia e educação mudaram os indicadores sociais deles. Essa é a linha da Unesco, é fazer com que desenvolvimento científico e tecnológico chegue à população e melhore efetivamente a qualidade de vida das pessoas”, concluiu.