Brasileiro fala do medo dos moradores em área alvo de ataques em Moçambique

Em Moçambique, a IIlha de Matemo, em Cabo Delgado, abriga deslocados que fugiram da violência.

Há registros de cenas de decapitações, de desmembramentos de homens, mulheres e crianças. Há registros de sequestros.

Eduardo Burmeist , Encarregado de Proteção do Acnur.

Acnur/Eduardo Burmeister
Em Moçambique, a IIlha de Matemo, em Cabo Delgado, abriga deslocados que fugiram da violência.

Brasileiro fala do medo dos moradores em área alvo de ataques em Moçambique

Paz e segurança

Funcionário da agência falou à ONU News sobre situação em Cabo Delgado; área é alvo de ataques de insurgentes incluindo decapitações; escalada de violência fez subir para 100 mil, número de pessoas que abandonaram suas casas com medo dos confrontos.

Encarregado de Proteção da Agência da ONU para Refugiados, Acnur, o brasileiro Eduardo Burmeist está há cerca de quatro meses avaliando as necessidades dos civis vítimas de ataques na província moçambicana de Cabo Delgado.

O funcionário humanitário destaca cenas, relatos e ambientes com pessoas traumatizadas que buscam sobreviver das ações de grupos armados.

As declarações à ONU News foram feitas da capital da província de Cabo Delgado, Pemba. Para apoiar o extremo norte, o Acnur quer ação mais vigorosa de doadores para apoiar milhares de vítimas.

Soundcloud

 

Moçambique: ONU quer apoiar mais deslocados que sofrem com violência no norte do país