18 novembro 2019

Especialista em insetos, o brasileiro Danilo Carvalho explica a nova técnica que esteriliza mosquitos usando a radiação. O teste da iniciativa já teve aprovação da Organização Mundial da Saúde, OMS, e será aplicada em nível global.

O mosquito aedes aegypti transmite doenças como chikungunya, dengue e zika. Foto: Kate Mayberry/Irin

O entomólogo Danilo Carvalho trabalha na Agência Internacional de Energia Atômica, Aiea. Ele explica à ONU News, de Viena, como a agência usou a radiação para esterilizar mosquitos machos diminuindo insetos.

No Brasil serão feitos os primeiros testes da técnica de insetos estéreis para controlar o nascimento do mosquito Aedes aegypti. A ideia é combater estes agentes que transmitem doenças como chikungunya, dengue e zika.

Em 2015, o um surto de zika no Brasil foi associado ao aumento de bebês nascidos com microcefalia.

O especialista conta que Cabo Verde é uma das nações interessadas na técnica de insetos estéreis por haver ocorrência de mosquitos Aedes aegypti. O especialista revelou que a iniciativa não se aplica em emergências.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Brasil aplicará técnica que esteriliza mosquito da dengue em 2020

Liberação de insetos que não podem se multiplicar já foi ensaiada em várias áreas do país; Cabo Verde também revelou interesse em implementar iniciativa da Aiea, FAO e OMS.

Américas têm número recorde de casos de dengue

Brasil teve a quinta maior taxa de incidência, com 711,2 casos por 100 mil habitantes; região registrou mais de 2,7 milhões ocorrências da doença nos primeiros 10 meses deste ano.