28 agosto 2019

Uma campanha da organização ambiental Greenpeace em prol de oceanos é representada pela brasileira Julia Zanolli na conferência intergovernamental que negocia o tratado global de oceanos. Neste Destaque ONU News, a entrevistada fala sobre a iniciativa em que participa o ator espanhol Javier Bardem, que falou aos Estados-membros da ONU em paralelo à conferência, e uma expedição internacional que chegará aos corais da Amazônia.

Até 30% dos oceanos do mundo podem ser protegidos até 2030. Para sabermos em que questões está aqui a representante da ONG ambiental, da grande organização ambiental Greenpeace, Julia Zanolli. É um prazer ter você aqui. Bom, está aqui há semanas, acompanhando a negociação deste possível tratado global sobre os oceanos. Será a primeira vez, essa é a terceira de quatro rodadas de conversas. Você pode nos explicar sobre exatamente o que está se falando aqui nas Nações Unidas?

Claro. O que está sendo discutido aqui é um Tratado Global de Oceanos, que poderia proteger até 30% dos mares até 2030. Hoje, não existe um instrumento para proteger as águas que estão além dos limites, das fronteiras dos países. Então o que a gente espera dessas negociações é que as lideranças mundiais aprovem um Tratado Global de Oceanos forte que seja capaz de criar áreas marinhas protegidas, ou santuários marinhos onde os animais possam se recuperar e onde a gente possa ter áreas que são livres de atividades humanos prejudiciais. E a gente precisa de um tratado global forte que nos permita fazer isso.

 

Reunir 193 países e vocês, como uma das maiores organizações ambientais, portanto é um assunto que leva muito debate, muita conversa. Nós conhecemos alguns dos desafios dos oceanos: são os plásticos, a questão dos desperdícios, a questão dos navios, mas o que é que a nível individual cada um de nós pode fazer para chegar até lá.  

Eu acho que em primeiro lugar, nós precisamos repensar nossa relação com o planeta. Eu acho que esse modelo de consumo que a gente vive hoje ele não é sustentável e estamos fazendo com o que o planeta chegue ao limite. A questão dos plásticos naturalmente é muito importante, mas acho que nesse momento o que a gente pede para as pessoas é que pressionem seus governos para que se comprometam com a proteção do meio ambiente e, especificamente, dos oceanos, porque a gente sabe que muitas vezes, quando os representantes, os delegados que estão aqui na ONU durante essas negociações sabem que quando eles voltarem para casa, eles vão ter que lidar com a uma pressão das pessoas pedindo pela proteção dos oceanos a gente sabe que isso faz muita diferença. Então a gente tem uma petição disponível para quem quiser assinar e cobrar os seus governos para que protejam seus oceanos. Mas é muito importante que os governantes saibam que as pessoas querem ver os mares protegidos.

Pnuma
Animais marinhos são prejudicados pelo plástico nos oceanos

 

E por estas duas frentes o Greenpeace está atuando. Primeiro com a iniciativa junto ao ator Javier Bardem. E depois a questão do estudo, da pesquisa que está fazendo. Vamos falar de cada uma delas, primeiro do envolvimento de uma estrela do cinema nessa iniciativa. O que é que se pretende e onde se quer chegar?

Nós tivemos o privilégio de ter o ator espanhol Javier Bardem aqui na ONU, se dirigindo diretamente aos delegados que estão negociando esse tratado no dia 19 de agosto.  O apoio dele aos oceanos não começa aqui, ele já foi para a Antártida no ano passado com o Greenpeace, justamente para testemunhar o que está em perigo. Eu acho que a partir do momento que você vê toda beleza e todas as ameaças que nosso planeta está sofrendo você também se torna responsável por advogar por essa causa.  Então ele veio até aqui cobrar os governantes para que se comprometam com um Tratado Global de Oceanos forte, que seja capaz de protegera até 30% dos mares até 2030. Nós tivemos muita sorte de uma voz como a dele numa campanha que é uma campanha internacional. A gente sabe que os mares não têm fronteiras, a natureza não tem fronteiras, então essa é uma campanha global do Greenpeace. E a gente sabe que a voz de uma pessoa como ele faz com que essa mensagem possa chegar a muitas outras pessoas. Mas a gente já tem uma petição que já tem mais de um milhão e setecentas mil assinaturas. Então temos o Javier Bardem e temos muitas outras pessoas pelo mundo inteiro que querem ver os oceanos protegidos.

Saeed Rashid
Segundo dados da ONU, 80% da poluição dos oceanos saem da superfície terrestre.

 

Javier Bardem foi uma voz para 193 Estados-membros das Nações Unidas, que mensagem principal é levada aqui para esses líderes que muitas vezes não veem tão frequentemente filmes, mas sentem o impacto por exemplo dessas produções que são feitas a nível internacional e tem impacto global?

 

Ele fez um discurso muito bonito quando esteve aqui na ONU. E eu acho que a mensagem principal, pelo menos foi o que mais me tocou, foi que nós aqui na ONU temos uma oportunidade única, com todos esses países reunidos, nós temos uma oportunidade única de fazer algo bom pelo planeta, de aprovar um Tratado Global de Oceanos que de fato consiga fazer a diferença para os nossos mares. E o que o Javier Bardem colocou de maneira muito bonita é que a gente não desperdiça essa chance. A gente tem essa chance nas mãos. Vamos aproveitá-la, vamos fazer o melhor com essa oportunidade que a gente tem agora.

Foto ONU: Martine Perret
De acordo com a ONU, se a tendência atual continuar, até 2050, a quantidade de plástico nos oceanos pode ser maior do que a de peixes.

 

Há também uma expedição internacional para criar maior sensibilidade e aumentar a consciência sobre os oceanos.  Qual será o impacto e o que se espera que, de fato, venha a mudar com essa iniciativa?

O Greenpeace está fazendo uma expedição de polo a polo. A gente está indo do Ártico até a Antártida para denunciar as principais ameaças que os nossos oceanos estão sofrendo e também para fazer campanha pela aprovação desse tratado. A gente sabe que é às vezes é um tema que é mais técnico, que está acontecendo talvez muito longe da vida das pessoas, e que é difícil criar ou gerar a atenção para esse assunto. Então, o Greenpeace está usando um dos seus navios que é o Esperanza, para criar uma plataforma e gerar a atenção para esse assunto. A gente, em parceria com os cientistas, está investigando as principais ameaças que os nossos oceanos estão sofrendo desde plásticos, mineração em águas profundas, extração de petróleo e, claro, as próprias mudanças climáticas. Então, nosso navio acabou de sair do mar de Sargaço, que está justamente ameaçado por microplásticos e é uma região que é muito única. O Sargaço serve como um berçário para a vida marinha, para as tartarugas, mas é uma região que está ameaçada por concentrações de microplásticos semelhantes às do Pacífico. Então é realmente muito chocante e a nossa próxima parada vai ser nos corais da Amazônia que ficam ali na costa do Brasil e da Guiana Francesa em que a gente está pedindo para que empresas não explorem o petróleo ali na região, porque têm um sistema único de corais que mal foi estudado. Um derramamento de petróleo ali poderia ter consequências terríveis, não só para a região, mas para toda a vida marinha que vive ali.

 

A Amazônia é centro de uma outra discussão, outro fato. O que é que uma catástrofe nos oceanos naquela área, pelo menos, provocaria daqui a mais um tempo?

Como a gente estava conversando, no planeta está tudo conectado. Então, a gente vê uma situação como essa que está acontecendo na Amazônia agora e, os oceanos é uma coisa que pouca gente discute, mas os oceanos têm um papel muito importante na regulação do clima porque eles absorvem carbono. A gente sabe que oceanos saudáveis são uma das nossas melhores estratégias para lidar com essa crise climática que a gente está vivendo. Eu acho que no momento em que o Amazônia está em chamas, a gente tem que fazer tudo o que está ao nosso alcance para lidar com essa emergência climática e proteger os oceanos seria com certeza um passo muito importante.

 

Queria suas palavras finais para esta conversa. O Greenpeace, como uma organização ambiental, tentando puxar por este tratado que está sendo negociado por 193 Estados-membros, mas em paralelo fazendo iniciativas lá no mar e redes de comunicação em todo o mundo. No fim, com um tratado aprovado, qual seria a vantagem para quem nos acompanha nesse momento de conservar 30% dos oceanos em nível global?

A gente fala em pelo menos 30%, mas a gente espera que possa ser mais. Acho que a nossa vida está completamente conectada com os oceanos. Por mais que a gente esteja muito longe, por mais que a gente não esteja numa cidade perto da praia, o oceano como a gente estava falando tem um papel muito fundamental na regulação do clima. Tem milhões de pessoas, no mundo inteiro, que dependem dos oceanos para sobreviver e para se alimentar. Então, quanto mais a gente conseguir avançar nesse tratado global de oceanos, melhor para todos nós.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Brasileiras contam sobre ação em Moçambique no pior desastre em décadas

Mulheres são foco do Dia Mundial de Assistência Humanitária; após cinco meses do ciclone Idai a jornalista Natália da Luz e a chefe do PMA Karin Manente revelam experiências no auxílio a milhares de vítimas.

Brasileira ajuda a melhorar oportunidade de jovens

12 de agosto é o Dia Internacional da Juventude  e será celebrado sob o lema Transformação na Educação; A jovem Ana Carolina, de São Paulo, cursa a graduação em Economia na Universidade de Stanford e desenvolve projetos sociais.