27 junho 2019

Na segunda parte da entrevista à ONU News, o primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, destaca os avanços para estabilizar a paz em Moçambique, os investimentos na economia e como podem beneficiar a juventude do país.

Moçambique aparece nas manchetes agora porque é o rumo de muitos investimentos. Teve um dos maiores anúncios dos últimos tempos para o continente, cerca de US$ 25 mil milhões de dólares, ou US$ 25 bilhões, como diriam no Brasil. Tendo em mente o que acabou de acontecer, de que forma é que estes fundos, este fluxo de investimento vai ajudar o país a erguer-se melhor?

Prevemos que, a médio e longo prazo, Moçambique tenha um crescimento do PIB duas ou três vezes mais do que temos nesse momento.

Eu penso que sim, penso que esta é uma ótima oportunidade, mas também são grandes desafios. São grandes desafios. Um investimento desta natureza, como anunciados hoje, cria sempre expetativas. E nós temos de ser capazes de gerir as expetativas, para que, e darmos o certo tom de que o momento do anúncio dos grandes bilhões de dólares de investimentos não significa que o país já os tenha. Há todo um processo de trabalho que deve ser feito. Essa questão da gestão das expetativas é determinante para que esses anúncios não virem problemas para o país. Portanto, a longo prazo, certamente que vão ser muito bons, vão ser uma boa coisa, vão gerar muito mais emprego, muito mais postos de emprego, mais renda, obviamente que muitos setores vão ser dinamizados. A própria agricultura, neste momento, que tem investimentos menores, abaixo dos 10% necessários para dar a agricultura, certamente com esses investimentos a andar a agricultura vai beneficiar e todos outros setores que determinamos como essenciais, como a energia, infraestruturas, vão ter a sua quota parte de ser apoiados por esses investimentos. Prevemos que, a médio e longo prazo, Moçambique tenha um crescimento do PIB duas ou três vezes mais do que temos nesse momento. Isso é uma grande responsabilidade para nós. Pensamos que, se Moçambique está no bom caminho nos próximos 10 anos, Moçambique muda completamente de figurino. Temos as maiores reservas internacionais de gás e, repito, temos de moderar as expetativas. Moderar as expetativas, gerir as expetativas, e trabalharmos. Trabalharmos e trabalharmos de forma que o gás e o petróleo... o país não fique refém de recursos energéticos. Hoje temos de diversificar a economia para que o país cresça de uma maneira mais diversificada e que todos os setores que nos elegemos como importantes, como a agricultura, a energia, a infraestrutura, turismo, cresçam de maneira muito mais paralela com o setor energético. Não podemos deixar que o nosso país fique refém dos recursos naturais.

 

Primeiro-ministro, nesta questão das expetativas e a necessidade de geri-las, estão os jovens que já era um grupo que parecia um pouco incomodado em Moçambique. Há jovens que saem da décima, não tem emprego, não tem oportunidade de continuar. Décima segunda, o mesmo acontece hoje com a universidade. O que é que diria a estes jovens depois da assinatura destes acordos? Dez anos parece muito para esperar.

Não devem esperar, devem preparar-se já para aproveitar as oportunidades. E a preparação é, basicamente, duas ou três coisas. Uma é a formação. Formação superior, obviamente, mas também formação técnico-profissional. O saber fazer. Muitos dos empregos que virão aí, de imediato, vão começar já este ano. Após que a decisão de investimento foi feita, começa a fase de construção. E aí tem muito, muito emprego do saber fazer. Então nós temos que preparar os nossos jovens para que, em pouco tempo, possam ser preparados em termos de formação técnico-profissionais para que possam, digamos, fazer aproveitamento dessas oportunidades que vêm aí. Ninguém pode esperar pelo próprio emprego.

Nossos jovens têm de ter paciência e saberem aproveitar os espaços todos que aparecem em termos de oportunidades de se formarem para se poderem adequar aos novos desafios.

Esta mensagem está a passar, efetivamente?

Temos de fazer passar e contamos também com o apoio dos nossos parceiros da comunicação social. Nós temos de nos preparar para tirar aproveitamento das oportunidades que vêm aí. E a única preparação para os jovens é formar-se. No mundo globalizado, perde quem não tem formação, ganha os que tem. E os nossos jovens têm de ter paciência e saberem aproveitar os espaços todos que aparecem em termos de oportunidades de se formarem para se poderem adequar aos novos desafios. E é essa a mensagem que estamos a passar para os nossos jovens.

Banco Mundial / Sarah Farhat
Moçambique deverá ter crescimento econômico de 2% em 2019.

 

Sr. Ministro, imagens de jovens apareceram recentemente atuando em grupos armados em Moçambique, na parte norte. São grupos que podem aproveitar-se desta fragilidade dos jovens, alguns dizem, para atuar e criar esta instabilidade. O que é que se está a fazer, neste momento, para travar esta ação destes grupos e o que é que estes jovens estão já envolvidos podem esperar?

Primeiro, dizermos que esta não é a forma de estar. Matar outro pobre porque eu estou pobre não faz sentido. Tirar a cabeça de outro pobre porque eu sou pobre não faz nenhum sentido. Portanto, são grupos que surgiram que atuam de forma condenável, de todo o jeito, e reiteramos aqui a condenação dessas práticas e estamos a trabalhar, numa vertente muito mais holística, não só militar mas também como vê, com projetos, a formação dos jovens. Estamos também a trabalhar no sentido da coordenação com a religião. Estamos a trabalhar também no sentido das próprias comunidades, de criar uma consciência de que esta prática não é boa. E, felizmente, ninguém em Moçambique gosta e apoia este tipo de coisas. Vamos continuar. Felizmente, há três semanas que não sentimos ameaças deles. Isso é sinal de que as nossas forças armadas, as forças de segurança estão a atuar e com toda esta capacidade holística, como estou a dizer, e é bom, também, felizmente, eles estão confinados em áreas muito específicas em Cabo Delgado. Portanto, não conseguem expandir-se para outras partes de Cabo Delgado e do país. Isto é sinal de que as nossas forças armadas, as nossas forças de segurança, estão a fazer o que devem fazer. Mas o trabalho não é das forças de segurança sozinhas. É de todos nós. Líderes religiosos, líderes comunitários, vocês da imprensa, para que, digamos, este não é o caminho, não é o caminho. Não se pode justificar que se tire a vida aos outros porque eu sou pobre. Se é esse o argumento.

PMA/Deborah Nguyen
Moradores da ilha Matemo, em Moçambique. Região foi afetada pelo ciclone Kenneth.

 

Uma das últimas perguntas que lhe vou colocar é, este assunto já é colocado a nível regional, já saiu um pouco das fronteiras do país. Espera falar sobre isto com o secretário-geral, no encontro que vai ter com ele, por exemplo, sobre esta manutenção da paz interna em Moçambique, estímulo aos jovens, e esta questão, não se sabe se é terrorismo, se se define assim ou não, quem são estes grupos, vai falar disto com o secretário-geral?

Falamos de tudo quanto seja útil para o nosso país. A paz, a economia, e a paz está aí, os progressos que foram dados. Nos últimos três anos o nosso presidente tem estado a trabalhar arduamente nesse dossier, em várias frentes. A primeira das quais é esse processo da mudança da Constituição, para que ninguém possa reclamar espaço. O poder está descentralizado, mais perto da população. Ao nível autárquico, ao nível provincial, e está aí, é um caminho que foi dado. O diálogo está aí também, com todas as forças sociais, de politicas sociais, está aí, o nosso presidente está a fazer isso, e também estamos nesse processo da desmobilização, desarmamento e integração das pessoas. Neste momento decorrem, as pessoas estão a preencher as suas fichas, com o apoio da comunidade internacional. Aqueles que forem aptos para irem para as forças armadas, irão.

 

© Unicef / UN0316785/Prinsloo
O embaixador do Unicef Orlando Bloom se encontrou com os alunos da Escola Primária de 12 de outubro, na Beira, em Moçambique.

A ONU vai ajudar neste processo?

Sim, estão lá toda a comunidade internacional a trabalhar conosco nesse sentido e todo o programa está a ser feito. Não obstante as crises, guerra não tem, nós queremos que não perca esse foco, porque ninguém quer guerra em Moçambique e nós temos de trabalhar para que a paz se faça e este programa de desarmamento, desmobilização e reintegração se faça. Portanto, os que forem aptos para ir para as forças armadas, irão, aqueles que vão ser reintegrados também sê-lo-ão. E este é um trabalho que provavelmente em julho, por aí, segundo o cronograma tem de ser concluído, e nós vamos prosseguir com esse programa. Portanto, a paz é uma prioridade que o presidente Nyusi sempre teve e vai continuar a colocar. Com a paz, com a economia estabilizada e com estas aberturas que nós sentimos de investimentos que podem nos ajudar bastante, pensamos que Moçambique tem um grande futuro e Moçambique tem uma palavra a dizer no mundo nos próximos anos.

Agora é fase de reconstruirmos, é fase de continuarmos o processo de paz em Moçambique, é fase de continuarmos com a consolidação da estabilidade macroeconômica.

Primeiro-ministro de Moçambique, as últimas palavras, o que é que gostaria de dizer aqui ao mundo sobre esta vinda aqui, sobre este contato relativamente ao pós-ciclone e, acima de tudo, a esta nova fase que Moçambique quer mostrar daqui em diante?

Estamos prontos para trabalhar, juntemos as mãos para trabalharmos. Os ciclones estão aí, mas muito obrigado pelo apoio que nos deram para podermos ajudar os nossos irmãos, resgatar e salvá-los. Agora é fase de reconstruirmos, é fase de continuarmos o processo de paz em Moçambique, é fase de continuarmos com a consolidação da estabilidade macroeconômica. As condições estão aí, nós, de mãos dadas, com todos os parceiros internacionais e toda a população, o futuro é bom e vamos continuar a trabalhar. E muito obrigado por isso.

     

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

FAO implementa iniciativa agrícola de mais de US$ 32 milhões em Moçambique

Produtores de Nampula e Zambézia devem melhorar qualidade das safras para chegar a mercados internacionais; Projeto Promove Agribiz deve beneficiar 60 mil agricultores com fundos da União Europeia.*Produtores de Nampula e Zambézia devem melhorar qualidade das safras para chegar a mercados internacionais; Projeto Promove Agribiz deve beneficiar 60 mil agricultores com fundos da União Europeia.*

Primeiro-ministro de Moçambique pede apoio na ONU

O primeiro-ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, fala sobre apoio da comunidade internacional na reconstrução pós-ciclones, necessidades de financiamento e riscos da mudança climática no país.