Perspectiva Global Reportagens Humanas

Ciclone Kenneth: governador de Cabo Delgado explica medidas tomadas

 Parte da destruição deixada pelo ciclone Kenneth que atingiu Moçambique em 25 de abril de 2019.

Precisaremos, naturalmente, de nos organizar melhor, de nos estruturar para reagir a este impacto.

Júlio Parruque , Governador de Cabo Delgado, Moçambique

WFP/Photolibrary
Parte da destruição deixada pelo ciclone Kenneth que atingiu Moçambique em 25 de abril de 2019.

Ciclone Kenneth: governador de Cabo Delgado explica medidas tomadas

Ajuda humanitária

Júlio  Parruque destacou a reação do governo da Província; ciclone Kenneth causou a morte de pelo menos trinta e oito pessoas; segundo o PMA, ainda há um risco elevado de inundações e deslizamentos de terra.

Segundo as autoridades moçambicanas, até ao momento, o ciclone Kenneth causou a morte de pelo menos trinta e oito pessoas na cidade de Pemba, no distrito de Macomia e na ilha do Ibo. Há 11 pessoas feridas e 35 mil famílias foram afetadas. Falando à ONU News,  o governador de Cabo Delgado Júlio  Parruque explicou a reação do governo da Província.

“Nós estamos diante de um evento extremo da natureza. Tivemos a previsão meteorológica e o Instituto Nacional de Meteorologia comunicou. Nós ampliamos esta informação para a nossa população. Por isso tivemos algumas medidas fortes de precaução. Entretanto, com o impacto que foi bastante expressivo deste fenômeno nós precisamos de nos manter bastante unidos vigilantes e seremos para nos precavermos ainda mais porque precisaremos, naturalmente, de nos organizar melhor, de nos estruturar para reagir a este impacto. E logo a seguir, nos prepararmos ainda mais para a resiliência.” 

Soundcloud

Ciclone Kenneth

Deslizamentos de terra são temidos no bairro de Mahate, em Pemba, depois que o ciclone Kenneth varreu Moçambique.
Deslizamentos de terra são temidos no bairro de Mahate, em Pemba, depois que o ciclone Kenneth varreu Moçambique. , by Ocha/Saviano Abreu

O ciclone atingiu a costa de Cabo Delgado destruindo mais de 3.500 casas, provocando cortes de eletricidade, bloqueios de estradas e o colapso de uma ponte importante. Várias escolas e centros de saúde também sofreram danos. 

Segundo o Programa Mundial de Alimentos, PMA, há pelo menos mil pessoas deslocadas, enquanto que o governo estima que 680 mil pessoas continuam em risco. De acordo com a agência, embora o ciclone Kenneth já tenha perdido força, continua a causar fortes chuvas na região, havendo um risco elevado de inundações e deslizamentos de terra.

Temporada de Ciclones

O país foi atingido por uma segunda grande tempestade, o ciclone Kenneth, seis semanas depois do ciclone Idai ter deixado um rasto de destruição.  Esta é a primeira vez, desde que há registro, que dois ciclones tropicais fortes atingem Moçambique durante a mesma estação. 

Após o ciclone Idai, em março, o Unicef lançou um apelo de US$ 122 milhões para apoiar a resposta humanitária a crianças e às respetivas famílias afetadas pela tempestade em Moçambique, no Zimbábue e no Malauí nos próximos nove meses.

Ciclone em Moçambique: governador de Cabo Delgado explica medidas tomadas