10 maio 2018

O diretor de Inovação e Gestão de Mudança do Programa Mundial de Alimentos, PMA, Robert Opp, explica como as Nações Unidas estão a usar as novas tecnologias para chegar a mais pessoas, de forma mais rápida e gastando menos dinheiro.

Vales de dinheiro digitais, drones que avaliam prejuízos de desastres naturais, programas que permitem acompanhar refugiados no seu movimento através do mundo.

O diretor de Inovação e Gestão de Mudança do Programa Mundial de Alimentos, PMA, Robert Opp, afirma que tecnologias como estas ajudam as Nações Unidas a chegar a mais pessoas, de forma mais rápida e gastando menos dinheiro.

Falando à ONU News, em Nova Iorque, Robert Opp disse que a Organização tem “a obrigação de fazer a tradução de tecnologias do mundo desenvolvido para as pessoas mais vulneráveis. ”

O seu escritório foi criado há apenas três anos, para aproveitar as inovações que estavam a ser criadas por toda a agência. Uma das tecnologias mais recentes é o blockchain, que está a ser usado num programa com refugiados.

Opp também falou da “Table”, uma inovação recente que faz parte da aplicação “Share the Meal”, ou partilhe a refeição na tradução em português. Qualquer pessoa com acesso a um telefone inteligente pode inscrever-se e ver, quase em tempo real, como alguém de outro país usa o dinheiro. O serviço custa US$ 15 por mês.

O responsável explica tudo isso em português. O canadiano aprendeu a língua em Angola, no final da guerra civil, o primeiro país onde serviu as Nações Unidas. 

Acompanhe a conversa com Alexandre Soares, da ONU News.