Conselheiro especial espera consensos em Astana para envio de ajuda aos sírios

22 dezembro 2017

ONU quer que diálogo priorize apoio a milhares de pessoas em áreas sitiadas; expectativa é que encontros impulsionem ação humanitária no país que entra no sétimo ano do conflito.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.*

O conselheiro das Nações Unidas sobre a Síria declarou esta quinta-feira que a situação em “2017 foi ainda pior” em muitos aspetos do conflito do país, se comparada aos anos anteriores.

Jan Egeland revelou que a guerra obrigou a 2,6 milhões de deslocamentos em contraste com os 2 milhões do ano passado. As declarações foram feitas em Astana, no Cazaquistão, no início da nova ronda de negociações sobre a Síria, que também envolvem a Rússia, a Turquia e o Irão.

Deslocados

O responsável afirmou que para 2018, as famílias sírias discutem se tentam retornar ou não ao país, e se na condição de refugiados ou deslocados internos. O conselheiro citou dados de uma pesquisa indicando que metade dos deslocados não decidiu se tentará retornar ou não à Síria.

Egeland quer que seja feito mais no próximo ano, tanto a nível de segurança como no fornecimento de instalações para o regresso dos sírios ao seu país.

O representante destacou que em dezembro, a ONU não chegou às pessoas das áreas sitiadas. A expectativa é que o diálogo em Astana possa ajudar a acabar com a violência no leste de Ghouta onde cerca de 400 mil pessoas estão sitiadas.

Luz Verde 

O coordenador disse haver comboios de auxílio das Nações Unidas que aguardam a “luz verde do governo da Síria” para o acesso à área onde os preços dos alimentos estão oito vezes mais altos que em agosto.

O representante revelou que várias pessoas que deviam ser evacuadas perdem a vida entre as 495 que faziam parte das listas prioritárias para evacuações médicas.

O conselheiro humanitário citou a Rússia, o Irão, a China, o Egito, a Argélia e o Iraque como nações que poderiam contribuir com a sua influência no processo.

Ele disse que a saída do que chama “pântano” do conflito sejam acordos políticos. A expectativa é que os encontros dos próximos dias em Astana tragam “algum tipo de impulso para uma mudança no lado humanitário”.

*Apresentação: Denise Costa.

Notícias relacionadas:

Aumenta esperança de evacuações para assistência médica na Síria

Agências da ONU completam primeira fase de campanha de vacinação na Síria 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud