Enviado da ONU alerta para “potencial de escalada da violência” em Jerusalém

Enviado da ONU alerta para “potencial de escalada da violência” em Jerusalém

Baixar

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

O coordenador especial da ONU para o processo de paz no Oriente Médio falou da situação regional, dois dias após o anúncio do presidente Donald Trump de que os Estados Unidos iriam reconhecer oficialmente Jerusalém como a capital de Israel.

Nickolay Mladenov disse ao Conselho de Segurança que está “particularmente preocupado com o risco potencial de uma escalada da violência” e que o seu escritório continua a acompanhar de perto os desenvolvimentos no terreno.

Confrontos

O enviado contou que desde o anúncio da decisão há protestos generalizados e confrontos violentos entre manifestantes palestinos e forças de segurança de Israel em toda a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Faixa de Gaza.

Pelo menos um palestino morreu e outros mais de 140 ficaram feridos, de acordo com o Escritório da ONU de Assistência Humanitária.

O representante também mencionou protestos ocorridos em cidades árabes e em aldeias de Israel, além de áreas “desde o Líbano à Jordânia e da Malásia a Bangladesh.”

Provocação

Mladenov pediu aos líderes políticos, religiosos e comunitários que se abstenham de “ações de  provocação e de retórica que possa levar a uma escalada da violência”. Ele  pediu contenção e envolvimento no diálogo.

O enviado acrescentou que a ONU continua fortemente empenhada em apoiar todos os esforços em busca de uma solução negociada entre as partes.

Para Mladenov, essa é a única maneira de alcançar as legítimas aspirações de israelenses e palestinos e reiterou as palavras do secretário-geral na reação ao anúncio americano defendendo que não existe um plano B para a solução de dois Estados.

Notícias relacionadas:

Vídeo: Guterres e processo de paz no Oriente Médio

Áudio: António Guterres (em inglês)

Photo Credit
Nickolay Mladenov (em videoconferência) apresenta informe em reunião no Conselho de Segurança. Foto: ONU/Manuel Elias