Campanha contra a pólio quer vacinar 5 milhões de crianças no Iémen

10 abril 2017

Banco Mundial, OMS e Unicef querem ajudar país a manter-se livre da doença; auxílio inclui fundos e logística para sucesso da iniciativa.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

Decorre uma campanha de vacinação contra a pólio que pretende alcançar 5 milhões de crianças menores de cinco anos no Iémen.

A iniciativa tem o apoio do Banco Mundial, da Organização Mundial da Saúde, OMS, e do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, e pretende manter o país livre da doença.

Debilidade

O outro objetivo da imunização é ajudar a minimizar o risco de importar o pólio vírus para o Iémen “protegendo as crianças de doenças potencialmente fatais e debilitantes”.

Desde fevereiro, a vacinação envolve milhares de profissionais e educadores de saúde, líderes religiosos e autoridades locais. Cada grupo mobiliza as comunidades para aumentar o alcance da campanha.

Em nota, a parceria defende que as ações dos diferentes participantes ajudam a vacinar pessoas de alto risco que incluem deslocados internos e refugiados.

Violência

Uma das áreas alcançadas é a província de Saada, onde mesmo com o aumento da violência foram vacinadas mais de 155 mil crianças contra a pólio e 369 mil crianças contra o sarampo.

Há mais de uma década o sarampo era uma das principais causas de morte de menores de cinco anos no Iémen antes de campanhas terem reduzir drasticamente as mortes infantis da doença.

De acordo com a parceria, os dois anos de conflito quase destruíram o sistema de saúde do país. A destruição incluiu o programa nacional de imunização que pretendia proteger todas as crianças de doenças evitáveis.

Vacinação

As duas agências da ONU fernecem meios como combustível, geradores e frigoríficos alimentados a energia solar para manter as vacinas a uma temperatura constante.

O auxílio à campanha inclui transferência de vacinas de frigoríficos nacionais e governamentais para instalações de saúde locais e para equipas de vacinação.

A representante de Banco Mundial no Iémen destacou o empenho em investir na saúde das crianças por ser essencial para o futuro. Para Sandra Bloemenkamp, a ação com as agências da ONU vai permitir reforçar as instituições de saúde locais.

Notícias relacionadas:

Agências da ONU elogiam redução dos índices de nanismo em crianças

ONU diz que corte dos EUA ao Unfpa pode afetar meninas e mulheres

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud