Vice-secretário-geral pede aos líderes mundiais o fim da polarização
BR

29 dezembro 2016

Ao fazer uma reflexão sobre seu trabalho nas Nações Unidas, Jan Eliasson faz um apelo ao fim da xenofobia e das divisões; ex-ministro das Relações Exteriores da Suécia deixa o cargo no sábado, após mais de quatro anos de serviço.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

O vice-secretário-geral da ONU faz uma reflexão sobre os últimos quatro anos e meio em que ocupou o cargo. Jan Eliasson deixa o posto neste sábado, dia 31 de dezembro.

Em sua última entrevista à ONU News, em Nova Iorque, ele aproveitou para pedir aos líderes mundiais que lutem contra a xenofobia e parem de dividir a humanidade entre “nós” e “eles”. O diplomata sueco está “muito preocupado com a tendência das pessoas não se identificarem com as outras, ao invés de se unirem”.

Medo

Segundo Eliasson, este tipo de atitude “alimenta a polarização e a divisão”, fazendo com que as pessoas fiquem mais inclinadas e receptivas  “ao medo e até promovendo o ódio”.

Na opinião do vice-chefe da ONU, “juntos” é a palavra mais importante do momento, uma mensagem básica que representa como no futuro, as pessoas vão lidar com “os migrantes, os refugiados, com o desenvolvimento e as causas dos conflitos”.

Prevenção

Jan Eliasson destaca que os problemas precisam ser tratados logo no começo, por isso ele defende “uma cultura de prevenção”, com a valorização de estratégias e pensamentos de longo prazo.

Ele explicou que a comunidade internacional está buscando US$ 22 bilhões para resolver todas as necessidades humanitárias do mundo, além de gastar US$ 8,5 bilhões por ano com as operações de paz.

Eliasson afirma o seguinte: “quase US$ 30 bilhões são gastos para lidar com os sintomas e apenas centenas de milhões de dólares” para prevenir problemas de âmbito internacional, incluindo conflitos.

Troca de comando

O vice-secretário-geral avalia que neste estágio, com tantos confrontos ou “países implodindo, é preciso ouvir os primeiros sinais, como violações de direitos humanos”.

Segundo Jan Eliasson, a organização vai agora ao Conselho de Segurança de forma sistemática para fazer alertas sobre situações que podem se tornar atrocidades em massa, o que é em sua opinião, um “grande avanço para a ONU”.

Eliasson assumiu o cargo em julho de 2012, escolhido pelo secretário-geral da ONU Ban Ki-moon. A partir de domingo, 1º de janeiro, as Nações Unidas têm um novo secretário-geral, António Guterres, e uma nova vice-secretária-geral, Amina Mohammed.

Notícias Relacionadas:

ONU: "Não há mãos certas para armas erradas"

Milhões de civis sofrem com emergências humanitárias na Coreia do Norte

ONU contará com contribuições para realizar estratégia contra cólera no Haiti

 

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud