“É preciso vontade política” para acordo sobre testes nucleares
BR

31 agosto 2016

Tratado de Proibição de Testes Nucleares foi assinado por 183 países, ainda não entrou em vigor; chefe da Comissão sobre o acordo, Lassina Zerbo, ressaltou que oito Nações ainda precisam ratificá-lo.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

O Tratado de Proibição de Testes Nucleares, Ctbt, completa duas décadas neste ano e para o chefe da Comissão sobre o tratado, é preciso “ação e vontade política” para que ele entre em vigor.

Para Lassina Zerbo, o acordo está próximo à universalização: 183 países assinaram o tratato e 164 já o ratificaram, talvez 166 nas próximas semanas, segundo Zerbo.

Universal

O chefe da Ctbto afirmou que “isto é quase universal”, “mais de 90% da comunidade internacional dizendo não e nunca a testes nucleares”. De acordo com ele, “politicamente é uma conquista”.

No entanto, para Zerbo, esta realização “parece estar sendo ofuscada” pelo fato de que oito países restantes estariam, segundo ele, “basicamente tomando como refém a comunidade internacional por não ratificar o tratado para permitir que ele entre em vigor”.

Vontade Política

O secretário executivo do Ctbto afirmou que isto é um problema e que sào necessárias “ações e vontade política para tentar mudar a situação”.

Segundo a Comissão sobre o Tratado de Proibição de Testes Nucleares, 44 países detentores de tecnologia nuclear específica devem assinar e ratificar o acordo antes que ele entre em vigor. Destes, ainda faltam oito: China, Coreia do Norte, Egito, Estados Unidos, Índia, Irã, Israel e Paquistão.

Leia e Ouça:

Ban quer que países ratifiquem Tratado de Proibição de Testes Nucleares

Relator pede que Coreia do Norte seja responsabilizada criminalmente

Comissão da ONU analisa teste nuclear nortecoreano

 

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud