Relator especial da ONU chega à China para avaliar combate à pobreza
BR

15 agosto 2016

Especialista em extrema pobreza e direitos humanos ficará no país até 23 de agosto; Philip Alston vai se reunir com representantes do governo, da sociedade civil e intelectuais.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O relator especial da ONU sobre Extrema Pobreza e Direitos Humanos, Philip Alston chegou esta segunda-feira à China para uma visita de nove dias.

Alston vai avaliar os esforços do governo chinês para erradicar a pobreza e como esses esforços estão "ancorados" nas obrigações internacionais do país em relação aos direitos humanos.

População

O relator vai se reunir com representantes dos governos municipais e estaduais, organizações não governamentais, intelectuais, representantes de organizações internacionais e da comunidade diplomática.

Além de Pequim, Alston vai passar vários dias na província de Yunnan. A China registrou um avanço significativo nos esforços para a erradicação da pobreza nas últimas décadas, dado o tamanho de sua população, mais de 1 bilhão de pessoas.

Ele afirmou que esse progresso teve um impacto importante e benéfico sobre os níveis de pobreza globais. Em comparação com o resto do mundo, o representante da ONU disse que a China tem vários desafios para enfrentar o problema.

Educação e Saúde

Alston vai analisar a pobreza não somente na questão da falta de rendimentos ou salários, mas de outros fatores, como deficiências nos setores de educação, saúde e previdência social.

Ainda na lista estão poluição, mudança climática e várias formas de discriminação.

Para o relator da ONU, "o desafio real está em salvaguardar o que foi alcançado anteriormente e garantir que a pobreza existente no país será combatida em toda a sua dimensão".

A China ratificou vários tratados de direitos humanos e Alston quer ver como o país incluiu esses direitos em seu sistema de justiça e como assegurou apoio institucional à sua promoção.

Além disso, ele que saber como o governo implementou um mecanismo de prestação de contas para garantir a proteção e a aplicação desses direitos.

Alston vai apresentar suas observações e recomendações preliminares numa coletiva de imprensa no final da viagem, em 23 de agosto. O relatório final vai ser enviado ao Conselho de Direitos Humanos em junho do ano que vem.

Leia Mais:

Lançado relatório sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Unicef: 69 milhões de crianças vão morrer de causas evitáveis até 2030

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud