Missão na Líbia informada de julgamento “em breve” de filho de Kadafi

16 setembro 2013

Relatório da ONU sobre o país cita autoridades apontando que mais de 250 antigos colaboradores do ex-líder líbio devem enfrentar a justiça; documento destaca ceticismo quanto ao processo político, cerca de dois anos após a revolução.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque. 

O representante do Secretário-Geral na Líbia afirmou que as autoridades do país confirmaram a decisão de julgar centenas de altos funcionários do antigo regime de Muammar Kadafi, incluindo o seu filho Saif al-Islam.

Num informe apresentado ao Conselho de Segurança, nesta segunda-feira, Tarek Mitri disse que 250 réus devem responder à justiça “em breve.” 

Acusações

A 31 julho, o antigo ministro da Educação e de Informação, Ahmed Ibrahim, foi condenado à morte por acusações que incluem o incitamento à formação de grupos armados.

Em todo o país, estima-se que 8 mil pessoas estejam detidas em relação ao conflito, numa situação que a ONU considera problemática.

A preocupação da organização prende-se com relatos de mortes devido à tortura sob custódia e outras formas de maus tratos, numa altura em que as autoridades apontam uma redução em reclamações.

Tratamento de Detidos 

A Missão da ONU no país, Unsmil, disse que tem estado a treinar a Polícia Judiciária, tendo apontado “uma melhoria acentuada nas condições e no tratamento dos detidos sob tutela do Ministério da Justiça.”

Mas o representante disse ao órgão que “há um sentimento de ceticismo e possivelmente de rejeição, na forma como os líbios veem o processo político no seu país.”

Ele lembrou que, no próximo mês, é assinalado o aniversário da queda do regime autoritário do antigo líder Muammar Kadafi, após ter governado o país durante mais de 40 anos.

Deceção

Mitri considerou que no país é evidente que ideias preconcebidas sobre a transição política podem causar deceção ou fracasso. Como disse, as eleições livre justas levantaram mais expectativas do que a capacidade de resposta das instituições políticas, após terem augurado um processo democrático.

Para o representante, a experiência líbia demonstrou a urgência de um diálogo inclusivo e da construção de consensos sobre as prioridades nacionais durante o período de transição. O entendimento deve ser obtido em princípios normas de governação e regras básicas de ação política.

Mas Mitri destacou que tal não deve ser confundido com a perda de fé na unidade nacional, na democracia e no Estado de Direito.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud