FMI liberta US$ 1.8 milhões para Portugal

17 julho 2012

Instituição entende que o governo está a fazer as reformas e deve receber mais uma tranche dos mais de US$ 35 mil milhões que a organização se comprometeu a disponibilizar para a viabilização económica do país.

[caption id="attachment_207232" align="alignleft" width="350" caption="Lisboa"]

João Rosário, da Rádio ONU em Lisboa

A comissão executiva do Fundo Monetário Internacional, FMI, decidiu atribuir a Portugal US$ 1.816 milhões, equivalente a 1.480 milhões de euros. A medida segue-se à quarta revisão ao desempenho do país, no âmbito do programa económico de ajuda.

A nova tranche faz parte do acordo assinado em 2011 entre o governo de Portugal, o FMI, a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu, para o empréstimo total de US$ 95.744 milhões, valor equivalente a 78 mil milhões de euros, durante três anos.

Reformas

No fim da reunião da comissão executiva do FMI, realizada esta terça-feira, o vice-diretor Nemat Shafik, realçou a forte implementação por parte das autoridades portuguesas do programa, apesar das dificuldades registadas na zona euro. Notou ainda que já estão a aparecer sinais do ajustamento, quer fiscais quer a nível externo.

Nemat Shafik disse que “tendo em conta as dificuldades que Portugal ainda enfrenta, é importante manter o compromisso de políticas robustas e de realização de reformas estruturais que permitam sustentar o crescimento sustentável do país.”

Entre as medidas recomendadas estão reformas nos mercados de trabalho e para os produtos portugueses, para reforçar as dinâmicas relacionadas com a dívida e para voltar a ganhar acesso aos mercados financeiros.

Para o FMI, a realização sustentável da agenda “necessita de ser suportada por progressos continuados a nível europeu de modo a reforçar a união monetária.”

Desemprego

Shafik considera que o objectivo da consolidação fiscal em Portugal está no bom caminho e entende que as metas fiscais para 2012 continuam ao alcance apesar dos riscos terem aumentado devido a um desempenho mais fraco das receitas.

Devido à situação foi recomendado um acompanhamento mais de perto dos desenvolvimentos e dos esforços continuados para reforçar os objectivos fiscais.

O FMI nota que foram alcançados progressos significativos com as reformas no mercado do trabalho, e que o aumento do desemprego requer mais reformas. Neste campo, o órgão destaca as políticas do governo português para dinamizar o emprego, sobretudo para os jovens.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud