Na Síria, Annan negocia saída para violência que já matou mais de 9 mil
BR

28 maio 2012

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O enviado especial das Nações Unidas e da Liga Árabe à Síria, Kofi Annan, chegou a Damasco, capital do país, nesta segunda-feira.

Annan está se reunindo com integrantes do governo sírio e o presidente Bashar al-Assad em busca de uma solução para a violência política que já matou mais de 9 mil pessoas.

A Portas Fechadas

No domingo, o Conselho de Segurança condenou, em sessão extraordinária, o massacre de mais de 100 pessoas no vilarejo de Houla. Entre as vítimas estavam pelo menos 30 crianças.

A reunião no Conselho ocorreu, a portas fechadas, e contou com a participação, por videoconferência, do general Robert Mood que chefia a Missão de Supervisão da ONU na Síria. Segundo ele, as mortes ocorreram na madrugada de 26 de maio durante a operação militar no local.

Horas após o massacre, observadores da ONU estiveram em Houla e confirmaram também que centenas de civis ficaram feridos na ação que incluiu artilharia e tanques de guerra.

Repressão Política

Em carta ao Conselho de Segurança, Kofi Annan contou que além dos ataques com morteiros e artilharia, os militares também atiraram a queima roupa e teriam provocado agressões físicas graves aos civis.

Desde o início da repressão política em março do ano passado, o governo sírio afirma que está combatendo o que chamou de “terroristas e forças estrangeiras” no país.

A violência começou após manifestantes sírios terem saído às ruas para pedir reformas democráticas no governo de Bashar al-Assad.

Os protestos foram parte do movimento da Primavera Árabe que levou a mudanças no Egito, na Tunísia e na Líbia.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud