Acnur lamenta “morte trágica” de líder de refugiados da Somália
BR

30 dezembro 2011

Vítima foi baleada, várias vezes, e morreu 24 horas depois enquanto era transferida para um hospital na capital do Quênia.

[caption id="attachment_206287" align="alignleft" width="350" caption="Campo de Dadaab"]

Joyce de Pina, da Rádio ONU em Nova York.*

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, emitiu um comunicado “lamentando profundamente” a morte de um líder de refugiados no acampamento de Dadaab, no Quênia.

O local é considerado o maior acampamento do mundo e abriga muitos somalis que fogem da violência em seu país de origem.

Hospital

O alto comissário da ONU para refugiados, António Guterres, classificou o incidente de “trágico”.

A vítima, cujo nome não foi divulgado, era presidente da organização Paz e Segurança Comunitária no campo de Hagadera. Ele foi baleado, várias vezes, e chegou a resistir por cerca de 24 horas. A morte ocorreu quando ele era transferido para um hospital em Nairóbi, capital do Quênia.

Segundo a ONU, o acampamento de Dadaab abriga 460 mil pessoas.

A Somália, que vive um conflito civil desde 1991, está atravessando uma grave crise humanitária. Atualmente, existem mais de 950 mil somalis refugiados em nações vizinhas e quase 1,5 milhão de deslocados internos.

*Apresentação: Mônica Villela Grayley.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud