Pedro Pires quer usar prémio Mo Ibrahim para investir em África

12 outubro 2011

Em entrevista à Rádio ONU, o galardoado e antigo presidente de Cabo Verde considerou importante ampliar debate sobre questões africanas; valor deve ser aplicado na documentação da história de libertadores cabo-verdianos.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O ex-presidente de Cabo Verde, Pedro Pires, disse que vai usar o valor do Prémio Mo Ibrahim de Liderança Africana para promover o debate sobre questões do continente. O prémio é de US$ 5 milhões.

A distinção ao antigo estadista, anunciada nesta segunda-feira, deveu-se às “suas qualidades no reforço da democracia, boa governação e desenvolvimento económico, ao tornar Cabo Verde num modelo para outros países da África Ocidental na busca e manutenção da democracia.”

Montante

O prémio da Fundação do mesmo nome, do magnata britânico de origem sudanesa, é considerado o maior atribuído anualmente em todo o mundo. O valor de US$ 5 milhões é entregue ao vencedor durante 10 anos, seguidos de US$ 200 mil anuais por toda a vida.

Em declarações à Rádio ONU, da Cidade da Praia, Pedro Pires falou das primeiras intenções em relação à aplicação do montante.

Investigação

“Eu vou ficar em África e vou procurar ser útil ao continente na matéria de ideias e de debates. Ainda estou na fase inicial, de modo que não posso ter ideias já elaboradas e concretas mas irá, nesse sentido, para a história do meu país, para que as pessoas o conheçam melhor. A sua projecção e o apoio à investigação em determinadas áreas e tentar criar um think tank para debater questões africanas e, particularmente, as questões da África Ocidental”.

Pires destacou que um centro de pesquisa sobre  histórias de combatentes de libertação do seu país deverá usar os recursos para recolher as suas memórias e depoimentos.

Luta de Libertação

“Com tudo isso, deixar a história do nosso combate e das nossas intenções para a próxima geração. Pretendo apoiar, com os recursos, a edição de obras ligadas à nossa luta de libertação nacional, a todo esse nosso empenho. Está claro que vou trabalhar sobre as minhas memórias e editar os meus discursos. Os da presidência estão prontos, só faltava dinheiro”

De acordo com Pedro Pires, o prémio deverá ser entregue na capital tunisina, Tunes, a 12 de Novembro.

Guiné-Bissau

O antigo líder disse ter ainda “responsabilidade em fazer algo pela Guiné-Bissau” e referiu que o desafio da Cplp é o de assegurar meios para a reforma do pessoal antigo das forças armadas.

Além do papel de Cabo Verde no processo, Pires ressaltou o contributo de Angola, Brasil e de Portugal além do bloco regional, Cedeao, na criação de condições para a consolidação da estabilidade.

O Prémio Mo Ibrahim já foi atribuído aos antigos presidentes de Moçambique, Joaquim Chissano, em 2007, e do Botsuana, Festus Mogae, em 2008.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud