África Subsaariana lidera com número de mulheres nas fileiras da Polícia

6 julho 2011

A par de países desenvolvidos, região tem 12% de polícias femininas; relatório cita Brasil como exemplo de aplicação de legislação sobre violência doméstica.

Eleutério Guevane, da rádio ONU em Nova Iorque.

A maior proporção de mulheres na polícia é encontrada na África Subsaariana e em países desenvolvidos, com 12% a 13% respectivamente, aponta um novo estudo das Nações Unidas.

O documento “Progresso nas Mulheres do Mundo: Em Busca da Justiça” indica, entretanto, que o Norte de África e Médio Oriente têm a proporção mais baixa com 2% a 3%.

ONU Mulheres

Trata-se do primeiro grande informe desde o lançamento da ONU Mulheres, em Janeiro de 2011. A directora executiva da agência, Michelle Bachelet, disse que como as mulheres são a metade da população mundial, as constatações do relatório constituem um chamamento à acção.

De acordo com a pesquisa, em mais de 139 países foram alcançados progressos em legislações indicando, entretanto, que mulheres em todo o mundo continuam a viver experiências de injustiça, violência e desigualdades na vida diária e no trabalho.

Igualdade de Género

A África do Sul é indicada como exemplo de conciliação das leis constitucionais e os direitos costumeiros com a aplicação de medidas de igualdade de género por tribunais tradicionais.

No documento é citado o caso da introdução da lei Maria da Penha, no Brasil, como exemplo de aplicação de uma legislação mais forte sobre violência doméstica no país, a partir de intervenção feminina.

Adopção da Legislação

Maria da Penha, que após ter sofrido ataques do marido, incluindo uma tentativa de a electrocutar que a deixou paralisada, levou o caso a um tribunal interamericano dos Direitos Humanos, no que veio a culminar com a adopção da legislação contra a violência doméstica no país.

O relatório aponta haver uma desconexão entre as leis no papel e a realidade no terreno, considerando importante que governos implementem as medidas adoptadas.

Michelle Bachelet faz notar que uma igualdade total precisa que a mulher se torne completamente igual aos olhos da lei – nos seus países, nas suas vidas e na esfera pública.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud