Pedido de asilo cai pela metade em países industrializados
BR

28 março 2011

Marina Estarque, da Rádio ONU em Nova York.*

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, informou que o número de pedidos de asilo em países industrializados continuou a diminuir no ano passado.

De acordo com o relatório da agência sobre o perfil das solicitações em 44 países, a quantidade de pedidos caiu quase à metade.

Condições

O documento foi divulgado, em Genebra, nesta segunda-feira. Somente no ano passado, mais de 350 mil solicitações foram apresentadas nos países industrializados. O que equivale a 5% menos que em 2009, e 42% menos que em 2001.

O alto comissário para Refugiados, António Guterres, explicou que "a dinâmica global do refúgio está mudando." Segundo ele, "é preciso estudar as causas deste processo para saber se a redução se deve a uma melhoria das condições nos países de origem

ou a um controle migratório mais restrito nos países de acolhida".

Austrália

Na Europa, a maior queda ocorreu em Malta, Itália e Grécia. Mas o impacto da

redução foi equilibrado pelo aumento de pedidos em outros países, incluindo

Alemanha (49%), Suécia (32%) e Dinamarca (30%).

Entre continentes, somente a Oceania teve um maior número de pedidos de refúgio comparado com 2009. Austrália recebeu mais de 8 mil solicitações, um aumento de 33%.

Estados Unidos

O relatório do Acnur mostra que os Estados Unidos continuam sendo o principal país de destino para asilo e refúgio pelo quinto ano consecutivo. Seis de cada 10 pedidos de asilo são atendidos pelo governo americano. Em 2010, houve um aumento no pedido de solicitantes mexicanos e chineses.

A França segue como o segundo país que mais recebeu novos pedidos de refúgio, com 47,8 mil solicitações em 2010. A maioria vem da Sérvia, da Rússia e da República Democrática do Congo.

*Apresentação: Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud